12 de maio de 2023, 09:22

Bombeiros do GTA têm treinamento semanal permanente


Publicado em 27/02/2015

Treinamento constante, preparo físico e aptidão com atividades em altura. São essas as principais peculiaridades dos bombeiros militares que integram o Grupamento Tático Aéreo (GTA) de Sergipe. Com treinos obrigatórios todas as terças-feiras e opcionais nas quintas-feiras, os tripulantes operacionais e pilotos fazem, semanalmente e de forma intercalada, simulação de salvamento aquático com puçá – uma espécie de cesto usado para retirar vítimas no mar; de resgate com uso do equipamento Mcguire – um cabo pendurado no gancho localizado no fundo da aeronave, e de combate a incêndio florestal com a ferramenta bambibucket, que tem capacidade para captar 540 litros de água, além de outras atividades policiais e de defesa civil realizadas pelo GTA.

De acordo com o Gerente de Segurança de Voo do GTA, capitão BM Danilo Carvalho, existe um programa de treinamento anual, em que são estabelecidos todos os exercícios e evolução dos integrantes do grupamento. “A capacitação permanente é fundamental para garantir a efetividade dos nossos procedimentos e manter elevado o nível de segurança de voo. Verificamos a importância do treinamento continuado e dos bombeiros e policiais nas aéreas de aviação de segurança pública e defesa civil, já que cada integrante, mais do que um bombeiro ou um policial, é um profissional multimissão da unidade”, ressalta o capitão, que é um dos pilotos comandantes de aeronave mais experientes do grupo.

O GTA foi criado em 2009 e está diretamente subordinada à Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP), com o objetivo de planejar, comandar, fiscalizar e efetuar operações aéreas. A unidade aérea é considerada uma das primeiras unidades realmente integradas da segurança pública, com policiais civis e militares e bombeiros militares atuando em conjunto, em atividades operacionais e administrativas de quaisquer naturezas no âmbito da segurança e defesa civil. De um efetivo de 23 profissionais que atuam no GTA, sete são do Corpo de Bombeiros Militar de Sergipe (CBMSE), dos quais três são pilotos, três são tripulantes operacionais e um é mecânico de aeronaves.

Segundo o tenente BM Remilton da Silva, que atua como chefe dos tripulantes do GTA há seis anos, o que mais mobiliza os bombeiros do grupamento são as ocorrências de buscas e salvamentos e apoio a combate em incêndios florestais de grandes proporções. “Adquiri muita afinidade com o trabalho de salvamento no mar porque, antes de atuar no GTA, trabalhei vários anos como mergulhador e guarda-vidas. O que mais nos marca e emociona é ver que a vítima está na fronteira entre a vida e a morte e nós temos que rapidamente nos lançar (da aeronave) para salvá-la. Por isso que o preparo físico e a agilidade são fundamentais. Não há muito tempo para se fazer um salvamento. As ocorrências com o uso da aeronave apresentam grandes riscos que precisam ser gerenciados, já que será utilizada a ferramenta em alta complexidade, no apoio às unidades terrestres”, explica o tripulante.

Dentre as ocorrências mais marcantes realizadas pelos tripulantes do GTA está o resgate de três pessoas que estavam, há quase cinco dias, à deriva, no mar, próximo à desembocadura do Rio São Francisco. “Isso aconteceu em 2014. As vítimas estavam a quatro quilômetros mar adentro, fisicamente debilitadas.  Assim que as encontramos, nos jogamos no mar e fizemos o serviço de guarda-vidas, colocando-as dentro do puçá e transportando-as até o hospital”, revela o tenente R. Silva.