12 de maio de 2023, 09:24

CBMSE promove ação em homenagem ao Dia da Mulher


Publicado em 06/03/2015

O Corpo de Bombeiros Militar de Sergipe (CBMSE) homenageou, nesta sexta-feira (06), as 69 mulheres que compõem o seu efetivo, em evento alusivo ao Dia Internacional da Mulher – comemorado em 08 de março. Além de promover uma roda de conversa informal entre as integrantes, para debater os avanços e desafios da presença feminina na corporação, foram oferecidas, no Salão Nobre do Quartel Central de Aracaju, massagens, acunputura e técnicas de relaxamento, bem como sorteios de brindes e distribuição de um botão de rosa para as participantes.

O comandante geral do CBMSE, coronel Regnaldo Dória de Freitas, acompanhado da presença de sua esposa, Záira Freitas, iniciou o evento declarando que as mulheres deveriam ser homenageadas todos os dias e que se sente lisonjeado em trabalhar com mulheres que desempenham tão bem o serviço militar, de forma igualitária ao efetivo masculino, tendo como diferencial a organização e a busca da perfeição em tudo que faz.

De acordo com a 2º sargento BM Gilvamária Figueirôa, que atua nas ações de combate a incêndio e resgate veicular há 15 anos, não há diferença entre a atuação da mulher e do homem no serviço diário, já que as funções são as mesmas. “Como desempenhamos as mesmas atividades que os homens, não há diferença”, diz. A opinião da sargento é semelhante à da aluna de sargento BM Driellen Carvalho, que exerce a função de conduzir as viaturas operacionais: “temos a mesma importância que os homens e exercemos as mesmas funções, dentro das próprias limitações”, ressalta a condutora.

Já a 3º sargento BM Celsiane Kadja dos Santos, que ingressou na instituição há 12 anos, revela que uma das atitudes que se destacam na característica da mulher no ambiente de trabalho do Corpo de Bombeiros é a sensibilidade. “Acredito que as mulheres tenham uma sensibilidade maior para solucionar assuntos de cunho emocional, visto que os homens ainda possuem um desempenho melhor em atividades que exigem força física. O problema é que, infelizmente, ainda existe um grande preconceito por parte de alguns homens”, revela.

Combater o preconceito citado por Kadja ainda tem sido um desafio do efetivo feminino das corporações militares. Um Estudo Técnico publicado pela Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) em 2013, sobre Mulheres nas Instituições de Segurança Pública em âmbito nacional, mostra que uma das principais necessidades dos quartéis em todo o país é incorporar mudanças às suas políticas e estruturas para a inserção das mulheres, pois estes sempre foram ambientes essencialmente masculinos.

Parabéns a todas as mulheres que compõem o efetivo do Corpo de Bombeiros Militar de Sergipe!