19 de maio de 2023, 10:25

Força Tarefa COVID-19 da UFS avalia os resultados dos testes para detecção da COVID-19 realizados no Corpo de Bombeiros como “dentro da média”


Publicado em 29/01/2021

Nos dias 21 e 22 de janeiro, a Universidade Federal de Sergipe (UFS) realizou testes para detecção de COVID-19 no Quartel Central do Corpo de Bombeiros Militar de Sergipe (CBMSE), em Aracaju. Foram feitos 144 testes, com 65 resultados positivos, que representam 45% do total.

“Está dentro do esperado. A média dos testes nessa fase em que nos encontramos está variando entre 45 e 50%. O Corpo de Bombeiros foi muito corajoso, está dando exemplo. Ao identificar e afastar essas pessoas positivadas, está cumprindo sua missão de salvar vidas, para que elas não contaminem seus entes queridos, seus colegas e a população que vai ser atendida”, afirmou o Dr. Lysandro Borges, professor da UFS e coordenador da Força Tarefa Covid-19 UFS.

O professor explica porque essa média é esperada. “Nós estamos numa fase de curva crescente de casos. São sete linhagens de vírus circulando em Sergipe, inclusive bem infecciosas. É natural inclusive a reinfecção, porque são profissionais que estão mais expostos. Para se ter uma ideia nós fizemos testes esse mês nos presídios, onde tivemos 45% de resultados positivos em média e em comunidades quilombolas, onde tivemos 48%”, apontou.

Ele informou ainda que nesse mês foi feita a testagem da comunidade escolar, em 30 escolas estaduais em diferentes regiões do Estado. “Testamos professores, alunos e técnicos. O resultado foi 60% de testes positivos em média, sendo que o maior percentual foi de professores”, destacou.

O professor esclarece também sobre resultados, que algumas vezes geram dúvidas entre as pessoas. “Nos primeiros sete dias nós temos uma janela de 3 a 5 dias para detectar o vírus no RT-PCR, que é o exame padrão-ouro para diagnóstico. Ou seja, se você repete depois dessa janela pode resultar em falso negativo”, explicou.

Orientações

O médico infectologista da Polícia Militar de Sergipe (PMSE), Sérgio Agnaldo, fez uma avaliação dos resultados no Corpo de Bombeiros. “Esse resultado é uma representação do que vem acontecendo no Brasil. Do quanto a população tem subestimado a disseminação pelos assintomáticos que estão circulando portando o vírus”, afirmou.

Ele destaca que o resultado é esclarecedor, na medida em que revela a situação atual. “Não é para se assustar, essa é a situação dos ambientes profissionais em geral hoje. Isso serve para nos mostrar que não podemos subestimar, baixar a guarda. Precisamos continuar tomando as medidas protetivas coletivas, mas principalmente as individuais que são utilização da máscara, uso do álcool em gel ou água e sabão para higienização das mãos, e manter a distância de 1,5 a 2 metros. O caminho é a responsabilização não somente por si mesmo, mas também pelos outros”, concluiu.

Corpo de Bombeiros

A diretora operacional do Corpo de Bombeiros, tenente-coronel Maria Souza, acredita que os testes vieram mostrar uma realidade que precisa ser enfrentada. “Foi importante saber a realidade para poder tomar as medidas necessárias. Afastamos as pessoas para evitar a propagação, proteger os militares e a sociedade. Esses números, mesmo estando dentro da média, serviram para alertar sobre a importância de que todas as medidas sanitárias de prevenção precisam ser cumpridas ainda com maior empenho por todos e nós vamos trabalhar nesse sentido dentro das nossas unidades”, apontou.

Por Dinah Menezes