16 de maio de 2023, 10:19

Bombeiros marcam presença no Ação Global 2017


Publicado em 27/05/2017

 

Garantir a segurança contra riscos de acidente, prevenir incêndios e expor equipamentos utilizados em salvamentos, resgate e combate ao fogo. Foi com essas atividades que o Corpo de Bombeiros Militar de Sergipe (CBMSE) marcou presença na Ação Global 2017, que aconteceu neste sábado (27), na Escola Roberto Simonsen, no bairro 18 do Forte, em Aracaju/SE. O evento, realizado pelo Serviço Social da Indústria (Sesi), em parceria com a Rede Globo, ocorre em âmbito nacional e é voltado à inclusão social e fortalecimento da cidadania, por meio da oferta de serviços e informações.

De acordo com o tenente coronel BM Miguel Pereira, supervisor das atividades do CBMSE no evento,foi disponibilizado um efetivo de 11 bombeiros. “Trouxemos à comunidade informações necessárias para prevenir acidentes, incêndios e afogamentos, viabilizando principalmente um trabalho de cunho educativo”, explica. Segundo o oficial de operação, tenente BM Augusto Cordeiro, cerca de 200 pessoas visitaram o stand do Corpo de Bombeiros. “Mesmo com a chuva, a exposição foi um sucesso e muita gente quis conhecer de perto os equipamentos que usamos. As crianças são fascinadas pelo nosso trabalho e são as que mais procuram nosso stand, para perguntar sobre tudo o que o bombeiro faz”, ressalta o tenente.

O pequeno Ramon Gabriel da Silva, de 5 anos, que sonha em ser bombeiro, pôde usar o capacete de proteção e experimentar usar o esguicho de mangueira de incêndio. Segundo a mãe dele, Tatiane da Silva, a paixão por essa profissão é tão grande que o último aniversário dele teve que ter o bombeiro como tema. “Tive que mandar fazer uma camisa igual à usada no quartel e fazer um bolo temático. Em todos os eventos públicos em que os bombeiros estão, ele sai correndo atrás para subir na viatura. Ele gosta de tudo que diz respeito ao bombeiro e diz que quer ser bombeiro quando crescer”.

Ao todo, os bombeiros mostraram 30 equipamentos diferentes. Para o sargento BM Janisson Vieira, que fez parte da equipe de expositores, a curiosidade e a admiração foram os fatores responsáveis por tornar o stand dos bombeiros um dos mais visitados na área de segurança pública. “Dentre os materiais de combate a incêndio, o abafador foi o que mais deixou as crianças curiosas. No caso dos equipamentos de resgate em acidentes automobilísticos, o que mais chamou a atenção foi o desencarcerador”.

 

A dona de casa Lusineide de Azevedo, 49 anos, ficou curiosa com o alicate corta frio, também chamado de corta vergalhão. “Eu passei e vi as crianças interessadas neste stand e vim ver o que tanto chamava a atenção. Aí vi esse alicate grande e vim ver o que se faz com ele. Descobri que pode ser usado para cortar cadeado, correntes, algema e outras coisas. Antigamente, se cortava até aliança com isso aqui”, diz.

O estudante José Augusto da Silva Neto, 12 anos, também ficou impressionado com o alicate, mas gostou mesmo foi de ver os materiais usados em resgate veicular. “Eu aprendi mais ou menos como se usa a tesoura hidráulica e o cilindro expansor. Em outra edição do Ação Global, eu já tinha visto os bombeiros mostrando como usar as mangueiras e as capas no combate a incêndio. Desta vez, vim conhecer outras atividades deles”.

Os equipamentos usados nos resgates e salvamentos em acidentes automobilísticos foi realmente um dos mais procurados no stand do CBMSE. João Pedro Bonfim, de 11 anos, ficou empolgado em conhecer essa área de atuação dos bombeiros. “Não sabia que se usavam todas essas máquinas para tirar as pessoas que ficam presas nos carros quando acontece um acidente. Achei bem interessante. O que o bombeiro me falou aqui foi bom também porque nos ajuda a ter mais cuidado e evitar acidentes em casa e na rua”, revelou o garoto.

O sub-tenente BM Antônio Luiz Dória, que atua como guarda-vidas há mais de 15 anos, pôde repassar ao público parte de  todo seu conhecimento na área de salvamento aquático. “As crianças e adolescentes queriam saber como usava os coletes e as roupas de mergulhos e para quê serviam os flutuadores (também chamados de salsichão) e os cilindros de oxigênio. Interessante é que muitos perguntaram o que se faz para ingressar no Corpo de Bombeiros”.

Edson Rocha, de 33 anos, foi um desses interessados em fazer concurso para ser bombeiro. “Quando vi o stand dos bombeiros aqui, vim logo ver o que é que eles tinham para mostrar. Tenho vontade de ingressar na corporação. Sempre gostei de aventura e acho que é uma profissão que precisa de muita coragem. As áreas de mergulho e incêndio foi o que mais me chamou a atenção”.