10 de maio de 2023, 08:48

Curso de Resgate Técnico prepara futuros bombeiros para salvamentos em altura


Publicado em 24/03/2010

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Preparar futuros bombeiros para salvamentos em altura. Esse é o objetivo do Curso de Resgate Técnico que está sendo realizado pelo Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Sergipe (CBMSE) para os alunos do Curso de Formação de Soldados (Cfsd). Divididos em três turmas, eles estão aprendendo diversas técnicas que serão utilizadas no dia-a-dia da profissão.

“Nós atendemos diversos tipos de ocorrência em que precisamos aplicar os conhecimentos de salvamento em altura, mas as mais comuns são a imobilização e retirada de vítimas em maca, içar vítimas em poços e tentativas de suicídio”, afirma o instrutor do curso, sargento Jocivaldo da Pureza Luzia.

Durante o Cfsd os alunos têm a disciplina “Salvamento em Altura”, na qual eles aprendem as técnicas mais simples desse tipo de atividade. Já no curso de Resgate Técnico eles aprendem técnicas mais avançadas como foot looping (manobra para retirar vítima presa na corda com aparelhos como blocantes e roldanas) e multiplicadores de força (técnica utilizada para reduzir o peso).

Segundo o instrutor, a principal dificuldade enfrentada por quem vai iniciar a preparação para o salvamento em altura é o medo. “Esse medo normalmente é superado com o domínio das técnicas e a confiança no material, que trazem a segurança. Estando em bom estado de conservação, materiais como mosquetão, por exemplo, suportam apartir de 2.400 kg”, explica o sargento Jocivaldo.

Para provar que superaram o medo, os alunos passam por duas atividades práticas ao final do curso. A primeira é um rappel na ponte da cidade de São Domingos, com cerca de 55 metros. Já a segunda é o comando crawl, que é a transposição horizontal de um prédio para outro por meio de um cabo

Por ser uma atividade que exige precisão, a preparação dos bombeiros não pode parar no curso de Resgate Técnico. “Não basta fazer o curso. É preciso o treinamento constante, praticar para estar preparado para atuar quando houver a necessidade”, alerta o instrutor.