19 de maio de 2023, 09:25

Psicologia das Emergências é nova disciplina nos cursos do CBMSE


Publicado em 13/02/2020

A disciplina Psicologia das Emergências foi incluída na grade curricular dos cursos de formação e capacitação do Corpo de Bombeiros Militar de Sergipe (CBMSE). As primeiras turmas a abordarem este tema foram as do Curso de Formação de Soldados (CFSD), que tiveram aula na última quarta-feira (12), no auditório do Departamento de Ensino, Pesquisa e Instrução (Depi), no bairro Getúlio Vargas, em Aracaju/SE.

O objetivo da disciplina é ajudar no conhecimento dos bombeiros em situações de emergência. Como estão mais propensos a desenvolver estresse no trabalho, a matéria é trabalhada abordando dois enfoques: primeiramente, o quesito operacional e como esse conhecimento pode estar sendo utilizado pelos profissionais nas ocorrências, na forma de entender e atender a sociedade. E na segunda ocasião, o cuidado da saúde mental, que possui  um caráter preventivo, pensando na saúde mental do profissional.

O 2º sargento Genisson Sabino, formado em psicologia, discutiu sobre a importância de incluir esse conhecimento nos cursos de formação e capacitação do Corpo de Bombeiros.  “A idéia de criar essa disciplina vem de estudos, desde o inicio da minha formação em psicologia. Eu me dedico a estudar psicologia das emergências e terapias ligadas ao trauma, como também entendo a importância de ligar o profissional bombeiro junto á psicologia dentro da instituição. Penso a disciplina e trago temáticas voltadas em vários aspectos: estudar e entender o stress; como ele é processado no nosso corpo; as consequências e ferramentas de gerenciamento de stress; experiência traumática e as consequências dele para a saúde do profissional; e como o publico externo reage no sentido da humanização do atendimento”, reforça.

A aluna do curso de CFSD, Kátia Cruz, acredita que essa iniciativa ajuda aos militares a se visualizarem na profissão. “Essa disciplina é importante para nos ajudar e sabermos quais são as possíveis conseqüências da atuação e como podemos nos cuidar, identificando os sinais de stress decorrente da atuação e quando devemos procurar ajudar”, finaliza.

Por Brunno Carvalho